Literatura Brasileira.net

Olavo Bilac ( 1865-1918)

Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac, nasceu no Rio de Janeiro em 1865 e aí morreu em 1918. É um dos melhores poetas do Parnasianismo Brasileiro e, junto com Alberto de Oliveira e Raimundo Correia forma a Tríade Parnasiana. Sua poesia apresenta várias temáticas. Dentro da linha tipicamente parnasiana, escreveu poemas sobre quadros referentes à antigüidade, como, por exemplo, em "A Sesta de Nero" e " O incêndio de Roma".

Leia mais...

A ligação da essência linguística na obra de João Manuel Simões

João Manuel Simões, escritor português de Mortágua, assume como ninguém a frase de Fernando Pessoa “minha pátria é minha língua”, toda sua obra é um retrato disso, dessa identificação que a língua tem, da comunicação que ela é, da cultura que ela traz, da beleza que ela pode expressar. João que mora no Brasil a um bom tempo, mais precisamente em Curitiba, é ocupante da cadeira 11 da Academia Paranaense de Letras.

Leia mais...

ALUÍSIO DE AZEVEDO (1857-1913)

Aluísio Tancredo Gonçalves de Azevedo nasceu a 14 de abril de 1857 em São Luís do Maranhão. Inicia os estudos em sua terra natal, indo depois estudar pintura e desenho, no Rio de Janeiro. Trabalha como caricaturista em jornais políticos e humorísticos. A morte do pai o faz retornar ao Maranhão, onde escreve alguns artigos de caráter político, influenciado pelo materialismo positivista, atacando os conservadores, a tradicional sociedade maranhense e o clero.

 

 

Leia mais...

Alberto de Oliveira ( 1857-1937)

Antonio Alberto de Oliveira nasceu em 1857 no Rio de Janeiro e faleceu em 1937. Suas poesias se caracterizam por um grande preciosismo vocabular e pela busca constante da forma ideal. Ainda que seja um dos mais típicos poetas parnasianos, Alberto de Oliveira revela características românticas; seu lirismo, porém é mais contido, estando longe dos excessos sentimentais do Romantismo.

Leia mais...

Raimundo Correa ( 1860-1911)

Raimundo da Mota de Azevedo Correia nasceu no Maranhão em 1860 e morreu em Paris em 1911. Enquanto autor puramente parnasiano, suas poesias se ressentem do artifícialismo da escola, mas quando procura dar vazão a sua sensibilidade, faz o melhor de sua obra. A visão negativista do mundo e o seu subjetivismo deram certa caracterÍstica filosófica a sua poesia, embora apenas superficiaimente. São antológicos entre outros poemas: "As Pombas", "Mal secreto, "Cavalgada", "Plena Nudez".

Obras:

  • Mal Secreto
  • Sinfonias
  • Versos e Versões
  • Aleluias
  • Plena Nudez

Pesquisar

Usuários On-line

Temos 9 visitantes e Nenhum membro online